sexta-feira, 5 de agosto de 2011

Verdade e seus autores


Um louvor do novo som, Autor da Verdade, diz: Não existe paz quando se faz a guerra! Vivemos num mundo cristão de verdades aparentes, de verdades da forma como nos ensinam, de verdades que para o "autor" da verdade, Jesus Cristo, entram naquilo que ele diz: "O que está escrito, como lês?". Estamos presos a verdades do tipo hipotéticas, que aguardam provas para se tornar teorias, e da teoria entrar no rol das leis universais. Mas por que toda essa dificuldade em aceitar a verdadeira verdade, que o próprio autor da hipótese a testou, e passou, após comprovar toda sua teoria, que a verdade do Cristo é universal? Porque, como o farizeu, estamos com a nossa verdade no coracão, do jeito que a gente lê - interpretamos, ou nos ensinam, enfim.

Em Lucas 10.25-37 está uma parábola surpreendente. "Mestre, como entro no céu?", pergunta um crente de carteirinha no Deus de Abraão, e Jesus devolve outra pergunta: "O que está escrito? Como lês?". Ele fala corretamente e Jesus concorda e somente diz: "Faca isso então, e viverá". Como ele lia a escritura? Como ele interpretava a escritura?, pois ele tem a cara de pau de, meio envegonhado, perguntar: "E quem é o meu próximo?". Jesus então conta a história que vocês já sabem. No fim da conversa, Jesus pergunta para ele: Quem você acha que foi o próximo "do homem" assaltado? e ele diz, com muita dor no coracão: "Foi aquele que usou de compaixão para com ele". E eu vejo Jesus fazendo uma provocacão: "Quem foi mesmo?". E ele diz: "Mestre, o samaritano, o samaritano foi o próximo". E Jesus termina dizendo: "Vai então, e faz da mesma maneira", isto é, ame o samaritano.

Jesus conseguiu fazer um farizeu admitir que o samaritano era o seu próximo, e ele teria que amá-lo, da mesma forma que ele ama a Deus. Hahaha, Jesus é maravilhoso. Pena que esse farizeu jamais iria amar um samaritano, jamais, a não ser que ele cresse em Jesus realmente. Isto porque o farizeu já tinha a verdade dele, da forma como ele lia na bíblia, e da forma como ele foi ensinado por seus mestres. Ele, no momento de sua justificativa, pergunta: "Quem é o meu próximo?". Como alguém que sabe que deve amar a Deus e ao seu próximo, não sabe quem é o seu próximo? Então com certeza ele não conhecia seu Deus também, pois Jesus criou suas teses com base matemática: x-y=0, ou Deus=próximo+amor.

Verdade, o que é a verdade? é uma das perguntas mais cheias de ingredientes para várias teses, e Pilatos pergunta ao próprio autor da tese. Mas o autor se cala poque Pilatos não entenderia a fórmula da equacão do samaritano, apesar de pilatos, como governador e romano, possuir todo conhecimento matemático da época. Pilatos tinha a verdade da lei, mas ele tinha também a verdade do Cézar, a verdade do povo judeu, a verdade do seu palácio, e outros tantos de verdade que se possa imaginar.

Você também deve estar como Pilatos, num mundo cheio de verdades. Mas se a sua verdade for como a do farizeu, que não sabe nem quem é o "x" nem o "y" da equacão, jamais poderá dizer que sabe quem é o autor da verdade, o meu Senhor Jesus Cristo, ou que ama a Deus acima de todas as coisas. A equacão só vai ficar igual a ZERO, quando as duas incógnitas se tornarem números inteiros naturais racionais, e eu puder visualizar no meu próximo, que como Jesus ilustrou, era alguém odiável ao fariseu, a mesma imagem e semelhanca do meu Deus. Esta é a questão. Tenho que ver Deus naquele que mais me despreza, naquele que mais me prejudica, naquele que um dia poderá me ajudar. Essa é a verdade com "V" de verdade universal mesmo, não com "V" de "quem é o meu próximo, Senhor?".

2 comentários:

Oséias Balzaretti disse...

Elizeu,

Vivemos um problema quanto à "verdade" em nosso dias, principalmente entre nós, cristãos. Sim, incumbidos de "viver a verdade" escolheram outro caminho, totalmente o contrário do que viveu Jesus.

Nunca será possível compreender a "verdade da escritura" se ela estiver destituída da hermeneutica que é Jesus. Sim, Jesus é, em sua pessoa, a própria exegese de toda escritura.

De tão simples que é, é que muitos cristãos se sentem ameaçados diante da síntese exegética que se encontra unicamente na pessoa humana de Jesus.

Elizeu Rodrigues disse...

Mano, acho q tenho a mesma linha de pensamento q vc expressa. Jesus pra mim é tudo, do jeito q vc escreve em seu perfil. Eu posso divirgir em qualquer coisa com relacão a bíblia com vc, ou cm alguém, pois somos diferentes, temos cabecas diferentes. Só não podemos, criar muros, muralhas, por causa daquilo que eu penso. O evangelho é simples, muito simples. Eu estou escrevendo sobre "A semente transgênica do evangelho", pois este evangelho q eu vivo, na minha igreja, no geral, não se parece em nada daquele revelado nos quatro evangelhos. Doutrinas? Fardo, nada mais que isso.

Liberdade: quem quiser me seguir..
Voluntariedade: vc dé graca ao servo porque ele fez aquilo que vc mandou? (Lc 17.9)
A religião apenas manda os outros fazerem as coisas. Jesus quer voluntários, como Davi..
.. entre outras coisas q eu amo em Jesus...