sexta-feira, 15 de fevereiro de 2008

Onde estão nossos líderes, no discipulado?


Pastor Samuel, do FdH, demonstrando o "eu te amo, eu te amo, te amo irmão Elizeu pra sempre... "


No dia 09 de Fevereiro deste ano fui à sede de minha igreja aqui em Paranaguá, no Paraná, para ver o conjunto Filhos do Homem, que tanto admiro, pois possuo seus DVDs e CD acústico. Aproveitei, antes do irmão Samuel cantar, para abraçá-lo e dizer que o amo muito em Cristo Jesus. Eles louvaram a Deus com vários hinos, os quais eu gravei em minha máquina fotográfica. Uma coisa muito me entristeceu: é o fato de saber que a direção de nossa igreja não é de acordo com o FdH, mas os aceitam em plena igreja sede. Por quê?

Eu me fiz esta pergunta no momento dos louvores, pois é um desacordo com Tg 2.12, onde diz: “Falai de tal maneira e de tal maneira procedei...” . Desacordo, Elizeu? É, desacordo, pois ensinamos contra o Diante do Trono (G12), contra FdH, contra Voz da Verdade (unicismo), mas os convidamos para estarem em nossas igrejas, talvez para aumentar o IBOP do culto, pois estamos “globalizando” o evangelho simples de Cristo. Como havia feito em outra oportunidade uma pergunta a um presbítero de nossa sede, quando vi no programa da CPAD na Rede Tv, comerciais de CD e DVD do conjunto Diante do Trono, sua resposta foi: “É que é culpa da mídia. Manter o programa no ar é caro, então necessita de comerciais. É por causa da mídia!”

Por que ensinamos em nosso púlpito tudo o que a Bíblia relaciona, mas não cumprimos quase nada daquilo que falamos? “Fale e proceda assim”, diz Tiago, porém falamos como os fariseus, querendo matar nossos irmãos crucificados, dizendo que amamos a César.
Onde estão os nossos líderes? Descer do púlpito para orar pelos outros se tornou um privilégio. Porém servir de exemplo, de líder, de discipulador, de mestre, já não existe. “Siga o exemplo de Paulo, de Abraão, de Isaque, de Jacó, de Moisés, etc, e de Jesus, mas não o meu, pois sou falho como você”, é o que se ouve na igreja. “Você tem que mostrar seu diferencial”. E onde está o meu exemplo? Somos crentes só de igreja?

Em Lc 6.40, Jesus ensina: “Não é o discípulo mais do que o seu mestre; mas todo o que for bem instruído será como o seu mestre”. Entretanto temos mestres de todos os formatos, que se tornaram mestres por seu próprio esforço, devido a falta de discipuladores, de líderes como Moisés. Moisés ficava no alto com os braços erguidos, servindo de exemplo encorajador para o exército de Israel. Hoje são poucos os mestres que têm o anseio de fazer discípulos à sua altura. Por quê?

É o que Jesus sempre enfrentou. Hoje Jesus diria com a mesma tristeza e rancor com a qual João escreveu: “Examinais as Escrituras, porque julgais ter nelas a vida eterna (Jo 5.39)". Nós sabemos tudo e nem por um segundo fazemos uma introspectiva daquilo que estamos ensinando e fazendo. Falamos o que a Bíblia diz e fazemos, até onde entendemos que é certo, não porque Jesus falou que é certo.

Este vídeo é apenas um pequeno relato de nosso farisaísmo. Em nosso meio fariseu existem os Josés de Arimatéia, os Nicodemos, enfim, aqueles que são realmente crentes em Jesus. Porém a maioria são como os sacerdotes Anás e Caifás, são como os escribas e doutores da lei. Fazem doutrinas pesadas, mas não movem uma palha. Não entram e não deixam ninguém entrar. Pena que não percebemos isso. Pena mesmo. Somos como Israel: “Somos sábios, e a palavra do Senhor está conosco... (Jr 8.8)".

4 comentários:

Vitor Hugo da Silva disse...

Irmão Elizeu, a paz do Senhor!

Realmente este é um problema que perdura dentro de nossas igrejas. Em minha cidade, Joinville, ocorre coisas semelhantes. É pregado uma coisa, mas é vivido outra. Há algum tempo atrás, trouxeram o "pregador" MF para ministrar aqui, sendo que ele já foi reprovado várias vezes por suas atitudes. Porém, como ele traz muitas pessoas para a igreja através de suas "mensagens", é esquecido tudo o que fora dito.

Que Deus possa ter misericórdia de nossa liderança, e que ele possam viver aquilo que ensinam ao povo de Deus. Pois, tenho certeza que dentro do povo do Senhor existem homens e mulheres que servem ao Senhor não só com palavras, mas com atitude também!

Deus o abençoe!
Vitor Hugo

Elizeu Rodrigues dos Santos disse...

è mesmo irmão Vitor Hugo. Ensinamos coisas difíceis, e não realizamos as fáceis. Por que será que Jesus era tão simples, e nós, seus discípulos, complicamos tudo?

Saberemos, no dia de nosso juízo.

marcelo disse...

È isso ai meu irmão,vi o Fdh aqui em Joinville e também gostei muito.
Faço parte do Grupo Nova Vida,
(samba gospel),estamos a umano na estrada louvando o senhor JESUS com
nosso ritmo.Tem sido uma benção,quem sabe não possamostocar em sua amada igreja.
Contato:Sérgio (47)8441-0814
sergio.gnv@superig.com.br

Que a paz de CRISTO esteja com você.
Abraços
Irmão Sérgio

Eliseu Antonio Gomes disse...

Elizeu

Amigo, creio que já saiba, mas quero relembrar que no Novo Testamento o termo igreja (ekklesia) nunca foi usado se referindo aos templos. A referência sempre aconteceu em relação aos convertidos ao cristianismo. Nós, crentes, com o passar do tempo adotamos ao vocábulo a conotação ligada aos prédios e também às denominações (Igreja Deus é Amor; Igreja Evangélica Assembléia de Deus; Igreja Batista; Igreja Universal; Igreja da Graça...).

Como já disse num dos três artigos sobre o sistema G12 no meu blog sei que existem erros. (Quem quiser ler basta digitar "G12" na ferramenta de pequisa PESQUISAR BLOG na minha página, no topo canto esquerdo). E eu sei que existem falhas fora desse sistema também. São vários os críticos, ferrenhos, e bem intencionados, dos dois lados nas suas críticas, muitos contra e muitos à favor o G12. E penso que o melhor a fazer é procurar servir ao Senhor da melhor maneira possível, procurando discernir bem entre o que, realmente, são heresias e o que são apenas diferenças denominacionais.

Os movimentos que são de fato seitas heréticas não aceitam Cristo como Deus e nem como único Salvador . Os hereges negam a Bíblia Sagrada como Palavra de Deus, não acreditam na sua inspiração divina e a rejeitam na sua característica de infabilidade. Usam outros livros e pessoas reputando a eles igual ou maior importância do que as Escrituras Sagradas.

Por falta de discernimento espiritual vários irmãos perdem tempo brigando entre si por causa de diferenças pequenas e sem importância. Nesta perca de tempo os verdadeiros movimentos heréticos estão crescendo sem que exista apologia cristã contra elas.

Abraço.

Eliseu Antonio Gomes
http://belverede.blogspot.com/